quinta-feira, 29 de abril de 2010

Primavera 2010

Nem tudo é concreto e aço em Chicago. Afinal, é primavera no hemisfério norte!

Os dias de sol e calor fizeram mais do que facilitar a viagem de uma moradora de um país tropical... :)

A natureza despertava de seu longo sono de inverno. A cada dia dava para ver tudo ficando gradualmente mais verde. Sem contar com as lindas flores, para todo o lado!

Um colírio para os olhos e fonte de inspiração:

CHICAGO!....

Chicago é uma cidade que me surpreendeu muito, e no bom sentido!

Muitas vezes considerada "A segunda cidade" dos EUA, 'rivaliza' com New York com modernidade, progresso e centro de negócios.  

É moderna, cheia de prédios, mas com um sentido forte de tradição, cultura, artes e história. É super-fácil transitar por ela, tem ônibus e trem (metrô) para todo lado. O pessoal é bem simpático e hospitaleiro. Principalmente o que mais me impressionou foi: é LIMPA!!! 

Já morei muitos anos em São Paulo, e a diferença de estar numa metrópole que funciona, é fácil se locomover, é limpa e agradável foi um choque cultural muito... prazeiroso!

Outro apelido de Chicago é "Cidade dos Ventos" (Windy City). E não é à toa não!!! Vira e mexe bate um vento gelado que abaixa em vários graus a temperatura! Se só com o sol você se sentiria bem vestindo uma simples camiseta, quando bate o vento pode vestir uma jaqueta reforçada porque vai gelar....

No aspecto cultural, vários teatros, shows, espetáculos e mostras rolam por lá o tempo todo. Chicago é a cidade-base dos "Blue Men" (que no Brasil figuram nos anúncios da Tim...) E também é a sede das famosas Thorne Rooms, em exposição permanente no Art Institute. Imperdível!!!!

Fiz um passeio de troley e ônibus de dois andares, onde se podia descer em pontos turísticos e pegar um outro mais tarde. Os guias contam em detalhes a história dos prédios e da cidade. Não lembro muita coisa sobre os prédios, mas duas coisas ficaram marcadas:

Tour "hop on - hop off"

1) A cidade sucumbiu a um incêndio gigantesco em 1871. Até então, tudo na cidade era feito de madeira, inclusive as ruas e os passeios! Os fortes ventos, comuns na cidade, ajudaram ainda mais a espalhar as chamas. No saldo final, 2/3 da cidade viraram cinzas. As altíssimas temperaturas atingidas no incêndio fundiram desde bolinhas de gude a pedaços de metal. 300 pessoas morreram. Depois do incêndio, ficou decidido que a nova cidade teria que ser à prova de fogo...
A cidade se reergeu, e esta reconstrução rápida virou motivo de orgulho e símbolo do progresso e da capacidade dos Chicagoenses.
Aprendi muito sobre a história da cidade visitando o Museu de História de Chicago, que tem maquetes muito bem feitas e construídas de tal forma que dão a ilusão de se perderem no horizonte:

video


2) A cidade depende da água do Lago Michigan para tudo, inclusive como fonte de água potável. Foi uma das primeiras cidades do mundo - se não tiver sido A primeira - a ter um sistema de tratamento moderno de água e esgoto. Mais do que isso, para evitar que a água do rio Chicago (limpíssima, e sem cheiro - ao contrário do Tietê e Pinheiros... ) poluísse o lago, eles INVERTERAM o curso do rio. Nem consigo imaginar como se consegue isso, já que na minha cabeça um rio nasce pequeno, vai aumentando com os afluentes e sempre corre gravidade abaixo... mas conseguiram! É o único no mundo que corre no sentido contrário ao seu curso natural (segundo a guia).

video


Quando a cidade se reerguia do incêndio, uma senhora consternada fez uma campanha para doar livros para recompor a biblioteca da cidade. Ela conseguiu 80 mil livros! Detalhe... a cidade não tinha e nunca teve biblioteca.... :) 30 anos depois eles conseguiram terminar sua primeira biblioteca e já nasceu enorme. Hoje em dia lá tem biblioteca para tudo quanto é lado e a original é atualmente um Centro cultural que abriga cursos, exposições e espetáculos. O contraste da sua arquitetura clássica com os prédios modernos em volta não deixa de ser curioso.



terça-feira, 27 de abril de 2010

Sheboygan Falls! - que nome é esse? :)

video

A cidadezinha onde a Dana mora e onde fiquei no primeiro fim-de-semana é Sheboygan Falls. Que nome estranho, né? Até para os americanos... Vem da história de uma índia, que quando teve o segundo filho de um branco, diziam "she boy again", ou um 'indianês' para "she had a boy again" ou 'ela teve um menino de novo'. Falando rápido sai Sheboygan. Que é o nome do rio que corta a pequena cidade e de uma cidade maior na beira do lago Michigan. Como na altura da cidadezinha tem uma pequena queda d'água (falls), ficou Sheboygan Falls.

É uma típica, bonita e limpa cidade do meio-oeste. Tão tranquila e pacífica que ninguém tranca o carro! Na pousada onde fiquei (Bed&Breakfast), por exemplo, a confiança foi tanta que a dona me entregou as chaves do quarto E da pousada... e foi embora! Pode? Ela morava pertinho, mas aqui nunca vi disso, tamanha confiança num hóspede, nem no interiorzão!!! Como eu era a única hóspede daquele fim-se-semana - a temporada de 'getaway' ou pequenas viagens para desestressar da cidade grande, quando essas pousadas são muito requisitadas, ainda não havia começado - fiquei sozinha lá!!! E ainda por cima a proprietária generosamente me deu um 'upgrade', me passou para a melhor suíte, sem custo. Me senti uma verdadeira rainha, hehe :)

No vídeo acima você pode ver as fotos da suíte, as minhas primeiras compras e fotos que tirei no domingo bem cedinho, ainda frio, antes mesmo do café-da-manhã (servido no quarto!!!) da cidade em volta. Um charme, um encantamento só!

Depois do laudo café, Dana veio me buscar para mais um dia de compras. Além de me ajudar a ativar o celular. :) Agora estava finalmente comunicável! Fomos ao Michael's, a uma pequena loja de artesanato com 'trocentas' coisas com preços para lá de ótimos, dava vontade de comprar tudo!!! Também me levou a um Wal-mart - onde comprei chocolates e presentes para meus pais - e um pet-shop enorme, onde comprei itens para meus cães e gata. Eles também iam ganhar presentes! ;)

Depois fomos para o hotel onde eu ficaria em Chicago, perto de onde rolaria a principal das feiras de miniatura. Com o estrago na casa dela, achei melhor não ficar ocupando muito o tempo dela, pois tinha assuntos mais urgentes para resolver. Apesar dela não reclamar nem um pouquinho!!! 

O pior foi a quantidade de pacotes além da mala que tive que levar hotel adentro! Para começar, cometi a 'loucura' de comprar online na semana anterior, aproveitando uma oferta de um dia de uma loja de miniaturas que ofereceu desconto de 50% nas dollhouses. A bobinha aqui comprou logo uma casa enorme, porque estava barato... nem pensei no tamanho do trombolho do pacote!!! A Dana tinha autorizado que eu enviasse para a casa dela, e quando chegou ela avisou por email "é um pacote bem grande". Grande?... Gigante, isso sim, e pesaaaaado! Aprendi mais uma: se for para comprar uma dollhouse, escolha uma menor, mais modesta. Ou então compre numa escala bem mais reduzida, como 1:24 ou mesmo 1:48. Vai por mim!!!! Olha só o tamanho do trombolho (compare com o tamanho da mala e tênis!):



Também tinham alguns livros e pacotes com ferramentas que eu tinha encomendado online antes mesmo de sair do Brasil, pedindo para entregarem no hotel. Vixi! Acho que não calculei bem o tamanho da encrenca... kkkkk

Shop terapia

A Dana é uma artista fabulosa! Conheça seu trabalho aqui: www.miniatureart.com. Com seu talento ela poderia facilmente vender suas dolls OOAK (One Of A Kind - únicas e exclusivas) em qualquer feira ou no ebay por preços exorbitantes, coisa de colecionador. Mas ela generosamente optou por compartilhar seu talento. Além de manter um grupo no Yahoo, ela oferece a preços bem módicos aulas online de como montar uma doll, vestir, pintar, enfim - dar-lhe 'vida'! Isso sem contar nos inúmeros tutoriais gratuitos que mantém no site ou aulas básicas grátis para iniciantes no seu grupo. 

Como se isso não bastasse, mantém um programa de RAK (Random Acts of Kindness - Gestos Aleatórios de Generosidade), um programa que envia kits completos de dolls para membros carentes que não podem adquirir materiais por questões financeiras, por estarem passando por outros tipos de dificuldades ou por estarem em locais onde não há desse tipo de material.

Para participar deste programa, é preciso estar no grupo há pelo menos um ano. No entanto, assim que entrei ela me pôs sob sua 'asa protetora' e permite que eu acompanhe algumas aulas, envia sempre que pode alguns materiais - sem custo para mim - é um amor de pessoa!

E não é rica não!!! Vive da sua arte, das aulas e é classe média, sem luxos nem dinheiro sobrando. Mas é generosa, gentil, simpática, encantadora!!! Um coro de quase 1.500 pessoas (tamanho do grupo) concorda comigo sem pestanejar nem pausa para pensar!

Quando soube que eu iria a Chicago, sua reação foi: "você sabe que eu moro pertinho, né? Você tem que vir aqui!" O 'pertinho' dá umas 3 horas de carro! Mas ela desde o início fez questão: me buscaria no aeroporto, me levaria para comprar em lojas onde miniaturistas se abastecem lá - com preços bem menores que nas feiras!... e ainda me daria algumas aulinhas de dolls, de presente! Como dizer não, como recusar? Na verdade, dizer não nem me passava pela cabeça. Conhecer esta heroína, este modelo de pessoa era tudo que eu mais queria! Era começar a viagem pela melhor parte, era como começar uma refeição pela sobremesa!!!

Dito e feito! Lá fomos nós conhecer Milwaukee. O bairro chique, o "Alphaville" de lá. As casas, quase mansões, lembram demais as casas de bonecas. Ou melhor, finalmente vi as casas nas quais as dollhouses se inspiram!!! Aliás, até mesmo as casas mais modestas da região toda são parecidíssimas com as dollhouses!... Parecia que eu tinha diminuído de tamanho e estava vivendo no mundo 1:12! :)





Ei, Dana, dê um tchauzinho para os miniaturistas brasileiros!:


Bem, depois deste passeio turístico fantástico, bateu uma fominha.... Já eram umas 2 ou 3 da tarde! Perdi a noção da hora com os vôos, percalços e fuso horário! Sabendo que eu sou vegetariana, fez questão de me levar num restaurante que tem várias opções vegetarianas. E foi uma delícia!!! 

Era num shopping ("aberto", não do tipo dentro de um prédio enorme como aqui no Brasil) e aproveitei para comprar um celular para ficar "comunicável" nos EUA, só $9.90, pechincha!!! Um cartão de ligação internacional de 1 hora por $10 - ligar de hotel para o Brasil, nem pensar!!! Remédios recomendados pelo meu médico para meus joelhinhos e até um primeiro presentinho para minha mamy: uma fonte por incríveis $2.50!!! Aff! Também fui a uma livraria e depois fomos ao 'templo do artesanato': HOBBY LOBBY!!!

Eles sempre têm umas ofertas boas, e comprei tudo o que lembrei que queria, principalmente miniaturas bem baratinhas e colas mil - já tinha visitado o site na internet antes de sair do Brasil - no menor tempo que consegui! Por mim, passaria o dia lá, hehe...

tudo isso comprado só no primeiro dia... Já viu o tamanho do 'estrago' que vai ter no final, né? rsrs....
Mas um contratempo apertou nosso programa. A neve que tinha caído na 5a anterior teve consequências: um grande vazamento do telhado na casa da Dana fez com que tivessem que quebrar um monte de paredes e a casa dela estava de pernas para o ar! E ela teria que voltar logo para casa para ajudar o marido - que lida com construções - a botar a casa em ordem. Versátil, a Dana!!!Não daria para rolar as aulas/dicas, mas ela me fez uma surpresa: eu ficaria num Bed&Breakfast a duas quadras da casa dela. É uma pousada em uma construção histórica com direito a um farto café da manhã.

Ok, hora de ir prá caminha... Fica para o próximo post... ;)

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Ainda 'tô' chegando... :)

Lembra da tal garrafa de cachaça? Então... Quando o avião parou, fui correndo para a janelinha do outro lado acompanhar a retirada das malas. Uma parte ia para o aeroporto e as outras - inclusive a minha - continuaria em outro avião para Chicago. E não é que a garrafa foi junto com as malas para o aeroporto? A essa altura o saco plástico gigantesco já estava toda desenrolado e a etiqueta tinha ido pro espaço! O cara que pegava as malas pegou o "embrulho" nas mãos com cara de "mas quem é que manda um troço desses desse jeito???" e jogou junto com as malas. Xiiiii, se não tinha quebrado ainda, agora foi!

Corri para o a esteira de pegar malas, e lá vinha o embrulho desembrulhado... e... supresa! A garrafa chegou intacta, inteirinha!!! 

Corri para o balcão de check-in da United e nem eles acreditaram como foi que a garrafa chegou sem quebrar naquele "embrulho"... Com a maior simpatia e boa-vontade do mundo - de verdade! - eles logo descolaram uma caixa que deu certinho para a garrafa, acolchoada com o tal saco plástico, etiquetaram direitinho e me tranquilizaram: "pode ir pegar o vôo que desta vez chega lá direitinho, garantido!". 

Lá fui eu para mais um vôo de hora e meia, desta vez "espremida" entre uma família de suecos enormes e bem comunicativos uns com os outros... :)

Finalmente... Chicago!!!! eeeebbbaaa! 

Fui depressa para pegar a mala - detalhe: levei uma mala dentro da outra, pois já sabia que ia trazer um monte de ferramentas, acessórios e algumas minis. A caixa com a garrafa realmente chegou direitinho! Foi a primeira a entrar na esteira! Mas a mala... nada! Tô que espero e eis que chega a Dana: "Com licença, você é a Evelyne do Brasil?" YEEESSS!!!! Nada como ser recepcionada com um abraço caloroso de boas-vindas!

Ei, e a mala? Nada!... E acabaram as malas na esteira. Fomos eu e a Dana de um lado para outro do setor, tentando achar algum funcionário. Nenhumzinho! Só terminais de auto-atendimento. E para não dizer que eu, estrangeira, é que não sabia lidar com os danadinhos, a Dana também não curtiu nada 'lidar' com eles! Só diziam para esperar com paciência - sem dizer por quanto tempo - ou então para pedir para entregarem a mala depois. ai.. ai... 

Depois de uma 1/2 hora andando de um lado para outro tentando achar algum funcionário da United, finalmente achamos uma. E, bem quando íamos explicar a situação: "lá está ela!!!!" enxerguei minha mala em uma outra esteira, que não tinha nada a ver com meu vôo!!!! 

Dica de viagem: SEMPRE coloque um adesivo GIGANTE ou outra forma de identificação na sua mala. Se não fosse meu adesivo propositadamente espalhafatoso, eu não teria visto a mala de longe e provavelmente passaria o meu primeiro fim-de-semana sem minhas coisas...

Bem, chega de dramas, agora era só festa! Quanta coisa nova pela frente, até a viagem de carro - umas 3 horas até chegarmos à cidade dela - seria divertida, quanto assunto em comum, quanta novidade! Antes de chegar lá, passamos por uma grande cidade - Milwaukee. E foi lá que fiz minha primeira festa de compras: HOBBY LOBBY, lá vou eu! 

Na próxima postagem, pq agora vou ao dentista! rsrs...

Mas antes, uma estrutura bem incomum que me chamou a atenção na estrada: uma quase pirâmide. Este silo, na verdade, é usado para armazenar SAL! Eles jogam o sal na estrada para derreter a neve no inverno.



Difícil foi imaginar o inverno lá, pois estava o maior sol e calor, tanto que tivemos que ligar o ar condicionado do carro! E isso porque na quinta-feira - dois dias antes - tinha nevado!!!! Parecia que eu tinha levado o sol e o calor do triângulo mineiro comigo! De nada... ;)

A viagem de ida

Apesar de maravilhosa, essa viagem teve alguns percalços, contratempos, atrasos e desencontros... Mas como foi tudo tão memorável, nada disso pesou e o balanço foi extremamente positivo!!!

A ida por si só já foi uma grande aventura! Eu tinha marcado um vôo direto de Uberlândia a Guarulhos. Planejava chegar lá por volta da 1 da tarde. Isso porque meu vôo para os EUA saia às 10 da noite. Não queria correr nenhum risco, com a segurança aérea do jeito que está... Mal sabia eu! rsrs...

Acontece que, apesar de ter comprado a passagem pela Tam, quem opera este vôo é a Passaredo. Com aviões bem menores. E justamente o do meu vôo deu problema técnico e o vôo foi cancelado! Vixi, e agora? Depois de muito negociar, consegui ir no vôo seguinte da Tam, só que para CONGONHAS!!! Imagine chegar em Sampa numa sexta-feira, em plena hora do rush, trânsito TODO parado - cheguei lá pelas 17 hs - e ainda ter que atravessar a cidade, a marginal entupida, a Dutra e a Airton Sena paradas para tentar chegar a Guarulhos. Valham-me todos os santos!!!
A Passaredo providenciou um táxi para nos levar lá (eu e outros 2 passageiros na mesma situação), mas só conseguimos chegar lá pouco depois das 20 horas, ai.. ai...

Corri para fazer o check-in e dá-lhe fila looooonga para passar pela segurança e alfândega. Quando finalmente estava lá dentro da área de embarque já eram umas 21 horas.

E o tempo todo fui brincando com o pessoal e de bom-humor. Afinal, ia realizar um grande sonho!

Aproveitei o tempinho que faltava para o embarque e a fila enorme gerada pela segurança - desta vez americana... - e comprei uma garrafa da legítima cachaça brasileira para levar de presente para minha primeira anfitriã nos EUA. Não teria problema porque era da Duty-Free e eles entregam na porta do avião, lacrada e tudo.

Detalhe: meu vôo era cheio de escalas... Minha primeira parada, em Washington DC, depois de um võo loooongo que não tinha fim e em que mal consegui dormir (meus joelhos já velhinhos não deixaram), tive que passar pela 'Imigrations'. Sem problemas, porque fui com o passaporte frances, que não precisa de visto. Mas a fila era enorme e o pessoal bem mal-encarado, hehe...

Teria que pegar minha mala, re-despachar e passar de novo pela segurança. Ainda meio tonta de sono, esqueci que tinha que colocar a tal garrafa na mala. E não é que me barraram na segurança??? Mas, ao contrário de todas as espectativas, o oficial foi super-simpático e me levou de volta ao local de rechecagem das malas: "vamos ver se vc consegue pegar sua mala e colocar lá dentro". Que nada, a mala já tinha ido para o avião! Me arrumaram um saco plástico enorme e enrolei a garrafa toda com ele, etiquetei e rezei. Já achava que não ia chegar inteira em Boston, a próxima parada...

Bom, pelo menos passei pela segurança desta vez, hehe...

E lá fui eu... como consolo, o avião estava quase vazio. Fui batendo papo com um comissário simpatissísimo que adora o Brasil e fazendo "turismo aéreo" nos EUA, já que estava na janelinha. Olha só que 'bunitim' que Washinton é de cima:


Bem, por hoje é só! Já está tarde e preciso ir dormir. Depois tem mais, muuuuito mais!!! :)

SURPRESA!!!! :)

Pessoal, desculpem meu longo silêncio...

Mas foi por uma boa causa: fui a CHICAGO ver de perto a mais importante das feiras de miniaturas, a Chicago International, promovida por Tom Bishop. E de quebra ainda tinha mais DUAS outras feiras de miniaturas rolando por lá no mesmo fim-de-semana: a IMA (Independent Miniature Artisans) e a 3 Blind Mice. Uma festa!!!

Foi praticamente um 'presente de aniversário', já que meu níver foi em 9 de abril no dia em que fui.

Agora vou começar a postar tim-tim por tim-tim como foi essa maravilhosa aventura, fiquem de olho!!! Tem MUITA coisa para contar e mostrar.